quarta-feira, 10 de julho de 2013

Resenha: "O lado bom da vida" - Mathew Quick

Título Original:Silver Linings 
Playbook
Autor: Mathew Quick
Número de páginas: 256
Editora: Intrínseca
O lado bom da vida se trata de uma narrativa muito bem estruturada, à parte minha opinião, por Mathew Quick. Tanto no modo de escrita, quanto no modo característico do personagem, ao qual o autor se incorporou para que realmente fosse passada a ideia desejada –que vocês entenderão ao longo do livro/resenha. Pat Peoples está saindo de um sanatório depois de um certo tempo por um distúrbio mental não muito bem definido no livro. Ele foi casado com Nikki, à qual ele dedica todas as suas ações por acreditar que eles estão apenas “dando um tempo” e que se ele melhorar todos os seus antigos defeitos ela irá voltar para ele.  A partir daí ele se dedica arduamente (e quando digo arduamente não há nenhum exagero de minha parte, sério) aos exercícios físicos, à leitura, a ter respeito.. coisas do gênero que aborreciam Nikki. Pat não sabe realmente o porquê de ter ido para uma instituição psiquiátrica, acha que ficou apenas alguns meses lá, e as pessoas ao seu redor tentam manter a situação assim, até que ele começa a relacionar datas e os lapsos que vêm a sua mente. Porém o motivo por ter ido parar lá ainda é uma incógnita (ao menos no livro). Um fato marcante da família de Pat é o futebol americano. Isso mesmo, ele, o pai e o irmão são fissurados em futebol americano e torcem por um time chamado Eagles. Portanto os humores do pai são baseados nas vitórias e derrotas do time. Se ele perde, o pai fica carrancudo, se ele ganha, fica tudo bem. O pai não se relaciona muito com Pat quando ele volta para casa, a mãe é quem cuida do filho e suas crises... Pat continua frequentando sessões de terapia particulares para melhorar completamente. Pat passa a se aproximar novamente de antigos amigos, em parte por ajudar na sua readaptação à vida normal. Uma dessas reaproximações rende um jantar para o qual Pat foi convidado, onde também a cunhada de seu amigo comparece, Tiffany. E os dois têm algo em comum. Tiffany perdeu o marido, é meio descontrolada e tem um pouco da loucura de Pat, o que os liga de uma certa forma. Enquanto Pat continua sua vida em função de sua ex-mulher, e vê em Tiffany uma pessoa com quem conversar sobre tal, ela se vê próxima de Pat de outra forma. Ela o convida para um concurso de dança que pretende ganhar, e para isso precisa de um par, e em troca oferece ser uma ponte de comunicação entre ele e Nikki através de cartas, já que o que Pat mais queria era uma chance de se desculpar e mostrar tudo que estava fazendo para melhorar. Pat aceita e eles ensaiam todas as semanas. Na apresentação eles se saem bem, porém ele descobre que Tiffany não queria o primeiro lugar, até porque não era um concurso, só uma apresentação sem concorrência, ela tinha na verdade outras intenções... Agora com o acréscimo da minha opinião, as partes onde são descritas partidas de jogos ou algumas situações relacionadas ao futebol podem ser um pouco dispensáveis ao olhar do leitor, pois são bastante detalhistas. Nada que não seja compensado com a complexidade desenvolvida no restante da história. Os personagens são muito reais, Mathew Quick caracterizou de forma marcada a situação vivida na mente conturbada de Pat principalmente, passando para os leitores através das palavras de “O lado bom da Vida.”


O filme baseado no livro foi lançado em Fevereiro desse ano, rendendo aos atores Jennifer Lawrence e Bradley Cooper muitas nomeações no ramo cinematográfico. Fiquem aqui também com o trailer do filme:
                                                                                                                                         


 ~Daniela
Postar um comentário