quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Resenha "Coração de Tinta" - Cornelia Funke

Título Original: Tintenherz
Autora: Cornelia Funke
Editora: Cia. das Letras
N. de páginas: 455
Coração de Tinta conta a história de Mortimer, um homem que descobre ter o poder de extrair os personagens das histórias quando as lê em voz alta, porém o modo como descobriu isso não foi nada excitante: quando sua filha ainda tinha três anos, ele decidiu ler uma história para ela em voz alta, e quando ele já estava bem adiantado na leitura  três homens de repente aparecem no ar, e sua mulher desaparece dentro do livro.
Nove anos depois, Mortimer e sua filha Meggie peregrinam o país em busca de segurança, mesmo que Meggie nunca tenha desconfiando de nada. Até que certo dia, Dedo Empoeirado, um dos três que veio à realidade, bate em sua porta pedindo que o retorne para o livro, caso contrário, informaria sua localização a Capricórnio. Capricórnio também veio do livro que Mortimer lera, e este era um capanga no livro.
Mortimer decide então levar Dedo Empoeirado e sua filha para a casa de uma tia de sua mulher, que por sua vez chama-se Elinor, uma mulher que prefere livros a pessoas. Porém esse esconderijo não funciona por muito tempo. Logo, os capangas de Capricórnio invadem a mansão de Elinor e levam Mortimer.
Meggie se vê desesperada e pede a Dedo Empoeirado que a leve até seu pai, e é o que fazem, juntamente com Elinor. Ao chegarem na aldeia de Capricórnio, descobrem que este se tornou o chefe do crime na região.
Depois disso, uma série de fatos vão encher a trama de ação, inclusive uma fuga da aldeia de Capricórnio e um encontro com o autor do suposto livro –que tem um papel muito importante na história.
O livro tem um ritmo um pouco mais lento por ser muito descritivo, mas não perdeu sua grandeza, pois nesse livro a autora arrasou na construção e no desenvolvimento dos personagens. Dedo Empoeirado é um ótimo exemplo para isso. No livro (o outro, dentro da história) Dedo Empoeirado era um homem simples que fazia apresentações pirotécnicas em feiras para seu sustento, e também um homem covarde, por deixar-se ser subalterno ao crime da região. E quando veio à realidade, continuou trazendo essas características, e incorporando um personagem quase palpável, com todos os seus medos e anseios.
O livro é o primeiro da trilogia “Mundo de Tinta”, sendo o segundo “Sangue de Tinta” e o terceiro “Morte de Tinta”. Posso dizer que estou ansioso para ler a sequência.



                                                                                                ~Rodolfo
Postar um comentário