segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Resenha: "Orgulho e Preconceito" - Jane Austen

Título Original: Pride and Prejudice
Autora: Jane Austen
Editora: Penguin
N° de páginas: 576
Orgulho e Preconceito é uma obra que carrega o peso de ser uma das melhores obras de Jane Austen, porém há de se lembrar que tal obra foi concebida em 1815, portanto o romance desenvolvido por toda a obra sofre gravemente as influências sociais.
Elizabeth Bennet e Sr. Darcy são os protagonistas desta história que se passa num lugar chamado Hertfordshire, na Inglaterra, onde ambos negam que possa haver uma paixão até que seja impossível esconder deles próprios. E, por justa causa, talvez seja a única trama: a que nos prende apenas para descobrimos se o futuro dos dois é acabar juntos. E durante todo o livro, em meio as reflexões da personagem Elizabeth, há um teor de diálogo muito incomum mas justificável pela época de lançamento em que a linguagem extremamente culta demonstra a não proximidade da qual os personagens não se aproveitam, o que talvez tenha como intuito o foco dos sentimentos e suas influências, e não o contato físico.
Além desses dois personagens, entre outros, há a família de Elizabeth. Esta por sua vez, demonstra-se característica devido a sua frivolidade (a nosso ver) exceto por alguns membros. A preocupação da parte materna desta família é unicamente a reputação de suas filhas, a qual é definida apenas pelo tipo de casamento que cada uma arranjará.
Em suma, não há grande clímax, a obra tem seu valor pela sua escrita impecável, porém, na minha opinião (e sou meio insensível) não diria que é um livro tão bom. Talvez se eu lê-lo daqui uns anos, eu lhe dê o devido valor.