quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Resenha: "Um Gato de Rua chamado Bob" - James Bowen


Título Original: A Street Cat named Bob
Autor: James Bowen
Editora: Novo Conceito
N° de páginas: 240
“Um gato de rua chamado Bob” é um livro cujo o autor contará sua própria história, portanto é um livro autobiográfico. O livro é narrado em 1° pessoa por James e começa quando ele encontra um gato laranja na porta de um dos apartamentos de seu prédio. Naturalmente, ele pensa que o gato pertence aos donos do apartamento e, por isso, vai embora sem mais delongas;  porém ele começa a perceber que todo dia que ele passa pelo tal apartamento o gato está sempre lá, na mesma posição. Quando ele finalmente resolve perguntar sobre o gato, o dono do apartamento responde que não sabe nada sobre ele e aí decide acolher o gato. James sempre gostou de gatos e desde que viu aquele laranjinha no corredor simpatizou com ele, porém a situação por qual ele passa dificulta as coisas. Acontece que James está desempregado e passa um processo de reabilitação do seu vício em Heroína, portanto, não tem condições de sustentar a si próprio e o gato. A partir daí o livro começa a narrar a relação que se forma entre o James e o gato e começa a explorar o passado dos dois. O que eu penso desse livro é que ele é bom e nada mais do que isso. Toda a relatação do passado de James e de como a intervenção do gato muda a sua vida para melhor é realmente muito bonita e emocionante, mas como a escrita aqui não é das melhores a leitura muitas vezes se torna monótona e chata. Como eu já disse, o livro é autobiográfico e, por isso, acho que o efeito dele sobre nós é bem maior; por exemplo: quem nunca, ao avistar um pedinte na rua, pensou alguma coisa como “Ah, em vez de trabalhar fica pedindo dinheiro para os outros” e passou rápido por ele? Pois é, ao ler esse livro nós vemos que nem todos estam na rua são assim, na maioria das vezes são pessoas que por algum motivo se perderam e não encontaram um meio de salvar. Nessa história, o meio encontrado por James foi Bob. Ao ver isso da perspectiva de um cara que passou por isso tudo, nós percebemos o quão ruim nós podemos ser. Uma coisa que me irritou muito, foi a fato de Bob não parecer um gato; sim, eu sei que como ele passou muito tempo nas ruas ele já estava acostumado com alguns dos perigos que a cidade grande tem a oferecer, mas ele simplesmente não tinha algumas características que todo gato tem. Bob não tinha medo de chuva, deixava praticamente qualquer um acariciá-lo e tirar foto e não se assustava com barulho de ônibus ou coisas do tipo. Eu não estou duvidando da veracidade do livro, mas é que é um pouco estranho. Resumindo, é um livro bonito e com passagens interessantes, mas devido à má escrita ele pode se tornar um pouco chato, portanto se você quiser lê-lo esteja avisado. Há uma continuação para o livro, e ela se chama “O Mudo pelos Olhos de Bob”.