sexta-feira, 4 de julho de 2014

Resenha: “O Apanhador no Campo de Centeio” - J. D. Salinger


Título Original: The Catcher
in the Rye
Autor: J.D. Salinger
Editora: Editora do Autor
N° de páginas: 207
Oi gente, hoje vamos falar sobre “O Apanhador no Campo de Centeio”. Esse livro chegou até mim devido a dois objetivos que eu estabeleci: 1) expandir meu leque de leitura e incorporar outros gêneros, 2) ler livros em inglês. Então sim, esse foi o meu 1° livro em inglês \0/
O livro é narrado em 1ª pessoa pelo protagonista Holden. Ele era um menino diferente dos outros da sua idade e não se preocupava com questões fúteis, mas sim com coisas mais profundas como: Qual é o meu papel no mundo? Qual é o sentido da vida? 
Naturalmente Holden se sentia muito solitário. Devido a seu modo único de pensar não conseguia compreender as pessoas, sempre achava um aspecto nelas que o desagradava e por isso mantinha distância. Como não compreendia as pessoas, as pessoas também não o compreendiam e isso fez com que Holden passasse por várias escolas; até que um dia ele resolve fugir. Alguns dias antes do natal ele sai escondido da escola e se aventura pelas ruas de Nova York. O livro vai se passar nesse período de tempo. 
Durante essa fuga Holden se sente cada vez mais solitário, tornando o livro um tanto deprimente e angustiante (já que é narrado por ele). Sobre Holden posso dizer que adorei e odiei ele ao mesmo tempo. Achei muito legal essa coisa que ele tinha de se preocupar com coisas que ninguém dava bola e se recusar a pensar como os outros, cheguei a me identificar com ele nessas partes. O que me irritou foi sua mania de sempre encontrar um defeito nas pessoas, ninguém era bom o bastante para ele e foi isso que causou sua solidão. Acho que a única pessoa com quem ele realmente se importava e se sentia bem era sua irmã pequena. 
A linguagem utilizada no livro só serviu para nos ambientar ainda mais a mente de Holden e isso foi uma coisa que não me agradou muito, as gírias aparecem em peso aqui. A explicação do título apesar de fazer sentido também não me agradou muito, esperava que refletisse outra coisa. 
Enfim, achei o “O Apanhador no Campo de Centeio” um livro diferente, ousado até. Gostei de ter conhecido Holden e de ter acompanhado um pouco de sua vida, foi uma experiência que nenhum outro livro tinha me proporcionado.