terça-feira, 15 de julho de 2014

Resenha: “O Caçador de Pipas” - Khaled Hosseini


Uma amizade rompida.

Uma mudança brusca.

Uma pipa no céu.

Título Original: The Kite Runner
Autor: Khaled Hosseini
Editora: Globo Livros
N° de páginas: 368
O romance de estréia de Khaled Hosseini consegue ser em menos de 400 páginas coisas que muitos romances tentam, mas não conseguem: emocionante, impactante, interessante e, acima de tudo, real. Não que a história seja real, mas ela engloba tantos aspectos da vida e tantos sentimentos humanos que fica difícil acreditar que ela seja fictícia. 
Inicialmente ambientado em Cabul, no Afeganistão, o enredo nos leva a conhecer a história de dois meninos, Amir e Hassan, que mamaram do mesmo peito e foram criados como irmãos. Apesar da igualdade na criação, as diferenças entre os dois meninos era evidente. Hassan era um Hazara e trabalhava como criado na casa de Amir, filho de um homem rico e poderoso. 
Mas as diferenças não paravam por ai. 
As personalidades dos dois eram muito diferentes. Como já disse anteriormente, o pai de Amir era poderoso e, por isso, via em seu filho um futuro herdeiro do seu pequeno império. Porém, aos poucos percebeu que o filho que tinha não era exatamente o tipo de filho que esperava, e isso acabou afetando muito sua relação com ele. Como resultado, Amir se tornou infeliz e extremamente focado em agradar o pai na tentativa de receber sua atenção, doesse a quem doer. Além disso, Amir era um tanto quanto covarde e egoísta, coisas das quais ele se arrependeria muito mais tarde. 
Não mencionei antes, mas o livro é narrado em 1ª pessoa por Amir, então todas essas características que julgamos ser desprezíveis são melhores compreendidas ao ler o livro, pois estamos imersos na cabeça dele e, assim, entendemos melhor suas motivações. Chegamos até a sentir um pouco de dó. 
Agora com Hassan as coisas eram diferentes. Apesar de enfrentar situações bem mais difíceis do que as que Amir enfrentava como pobreza e preconceito, Hassan era um menino alegre, corajoso, honesto e extremamente leal, capaz de morrer por Amir e perdoá-lo. 
Eventualmente os caminhos dos dois se separam e eles nunca mais se veem. Devido à invasão comunista nos territórios afegãos, Amir e seu pai fogem para os Estados Unidos e lá ele constrói uma vida tranquila, não tendo a menor pista de que receberia uma ligação que iria desenterrar o seu passado e mudar tudo. 
Está sendo um pouco difícil escrever essa resenha por que, vocês sabem, quanto mais gostamos de uma coisa mais ela se torna difícil de descrever. Esse livro fez exatamente isso comigo. Quem já escreve resenhas há algum tempo sabe que é meio inevitável não pensar nos aspectos do livro que você vai destacar posteriormente na resenha; mas com esse livro eu não consegui pensar em mais nada enquanto o estava lendo, simplesmente fiquei imerso naquela história que cada vez me intrigava mais e se tornava melhor a cada página. 
Como vocês já devem ter percebido, a construção dos personagens,sejam eles principais ou secundários, é muito bem feita. Nós recebemos todos os detalhes que precisamos e o autor de modo algum nos deixa no escuro com relação a eles, coisas que nós até achávamos que não iriam ser desenvolvidas são esclarecidas de um modo muito satisfatório. 
Mas acho que o brilhantismo da obra reside no fato de que o livro constituí um ciclo. Conforme vamos chegando ao fim dele, vamos percebendo que as dificuldades se tornam maiores e as ironias do destino cada vez mais cruéis. A história se repete, mas dessa vez todas as pendências do passado são resgatadas e esse ciclo de dor e redenção finalmente acaba com um desfecho que não é totalmente feliz, mas que finalmente deixa aqueles corações atormentados com um pouco de paz. 
Concordo plenamente com a crítica que aparece na contra-capa: “Esta é uma daquelas histórias inesquecíveis, que permanecem na nossa memória por anos a fio. Todos os grandes temas da literatura e da vida são o material com que é tecido este romance extraordinário: amor, honra, culpa, medo, redenção”. 
“O Caçador de Pipas” foi um livro que me tocou muito, algumas coisas que foram ditas na história acabaram tendo um impacto especial em mim. Acho que, independentemente da sua idade ou fase da vida, algumas palavras também vão acabar voando por um tempo na sua memória, assim como uma pipa no céu. 

*O romance também foi adaptado para o cinema e, após rever o filme, posso dizer que foi uma adaptação bem fiel.