domingo, 10 de agosto de 2014

Resenha: "Buracos" - Louis Sachar

Título Original: Holes
Autor: Louis Sachar
Editora: Martins Fontes
N° de páginas:245
Stanley Yelnats vivia uma vida relativamente normal; até que certo dia é acusado injustamente de roubo e é mandado para um centro de detenção juvenil: O Acampamento do Lago Verde. Lago havia mesmo era só no nome, pois a água havia a tempo secado e no lugar ficara uma vastidão desértica, quer dizer, uma vastidão desértica cheia de buracos. 
Os delinquentes para lá mandados eram obrigados a cavarem um buraco de 1 metro e meio de profundidade por 1 metro e meio de diâmetro todos os dias. A administração do lugar dizia que esse era um modo de ajudar os jovens a edificarem um comportamento moral correto, mas pouco a pouco Stanley começa a desconfiar que seus motivos eram outros. Paralela a essa história, nós vamos conhecendo o passado turbulento da vila que havia em volta do lago, enquanto este ainda não secara.
“Buracos” é um livro muito bem pensado e escrito; o enredo desde o começo nos deixa curioso, pois se alterna entre o passado e presente e conta duas histórias aparentemente sem ligação nenhuma a não ser o lago. Conforme vamos evoluindo na história, vamos pegando algumas pistas e tentando organizar tudo de um jeito que faça sentido. Livros assim são raros de encontrar no mercado editorial infanto - juvenil, que é público alvo aqui.
Apesar de ser um livro dessa categoria, acho que todos deveriam dar uma chance para ele; a solução não é tão difícil de ser descoberta, mas também não é uma coisa boba. Achei que foi um mistério muito bem construído e amarrado, pois o final responde todas as nossas perguntas e nos deixa muito satisfeitos.
O autor tirou o seu tempo ao contar a história, não apressou nada e tudo ficou bem narrado. Não disse antes, mas o livro é narrado em 3ª pessoa, e se o autor resolvesse de algum modo apressar as coisas, nós perderíamos a melhor parte da história, que é acompanhar a vida de Stanley lá no Lago Verde ao mesmo tempo em que vamos conhecendo o passado do acampamento. 
Passados o choque e sofrimento inicial de ter que cavar um buraco por dia, Stanley evolui e se adapta muito rapidamente a sua nova situação. Isso com certeza foi um mérito do livro, pois nós passamos a sentir mais afeto pelo personagem e não deixou que a narração se tornasse maçante. O personagem Zero, amigo de Stanley, também se torna importante na história e é bem desenvolvido.
Com certeza recomendo esse livro, especialmente para aqueles que não gostam de ler, pois sua leitura nos passa uma sensação muito boa. Ah, “Buracos” foi adaptado para o cinema pela Disney (uma adaptação muito boa, aliás), então vejam o filme também.