domingo, 22 de fevereiro de 2015

Resenha: "The Maze Runner" (A Trilogia) - James Dashner

No minuto em que o filme acabou eu sabia que precisava ler os livros; depois disso cada vez que eu passava em uma livraria ou entrava em algum site de livros eu me deparava com aquelas belezuras só esperando para serem lidas. Finalmente li tudo e agora estou aqui para falar da fantástica trilogia “The Maze Runner”.
Depois do cliffhang no final do primeiro filme, minhas expectativas para com os livros só aumentaram e, felizmente, eles não decepcionaram. Nós começamos acompanhar a história em um ponto onde as coisas já estão bem avançadas e isso nos deixa ainda mais imersos no livro. Vou explicar melhor: o livro começa com Thomas, o personagem principal, preso em uma espécie de elevador sem recordação nenhuma de onde ele veio, para onde está indo, como foi parar ali e até mesmo de quem ele é. 
Thomas é resgatado e de repente se descobre em uma clareira cercada por quatro muros e habitada apenas por meninos. Admito que o começo é meio chato, pois, assim como Thomas, nos estamos super deslocados e precisamos nos ambientar com tudo antes de o enredo poder prosseguir, mas assim que isso acontece nós embarcamos em uma viagem louca e frenética que vai acabar só no último livro.


Título Original: The Maze Runner
Autor: James Dashner
Número de páginas: 426
Editora: Vergara&Riba






Como eu disse antes, a capacidade desse livro de nos puxar para dentro dele é incrível. A impressão que dá é que nós somos o Thomas e precisamos descobrir desesperadamente o que está acontecendo para fazer alguma coisa a respeito; e é exatamente isso que a gente faz: nós lemos como se o mundo fosse acabar. Para vocês terem noção, esse livro me fez quebrar um recorde pessoal; fiquei mais de três horas ininterruptas lendo. 
Uma coisa que eu critiquei muito na resenha da “Trilogia do Mago Negro” foi a falta de um planejamento e uma estrutura decente para a história. Com o tempo eu vim a perceber que não adianta nada ter uma premissa e personagens bons se o enredo não souber desenvolver isso. Acho que Trudi Canavan devia ter umas aulas com James Dashner, pois a trilogia Maze Runner é desenvolvida de uma forma, a meu ver, impecável. 
O autor sabe como te deixar curioso durante os três livros, quando você pensa que está indo tudo bem ele vai lá e te surpreende de novo. Todas essas reviravoltas poderiam não valer de nada ou até mesmo se tornarem chatas se não fossem bem trabalhadas, mas tudo acontece de uma maneira que te deixa sem ar. Todos os personagens foram bem aproveitados e desenvolvidos, é claro que alguns mais do que outros, mas em geral cada um teve a sua importância na história. 



Título Original: The Scorch Trials
Autor: James Dashner
Número de páginas: 397
Editora: Vergara&Riba






Dentre todas as distopias que eu li, o futuro distópico de Maze Runner foi o que mais me convenceu, pois realmente não é uma coisa muito distante da nossa realidade. Devido as explosões solares, o mundo virou basicamente um deserto enorme. Milhares de pessoas morreram e os governos dos países restantes juntaram forças para criar o CRUEL, uma organização com o intuito de restaurar a ordem no mundo. Realmente assustador não é?
Tudo isso que eu falei até agora foram pontos positivos, mas o que realmente me deixou de boca aberta foi o paradoxo que James Dashner criou. Esse grande paradoxo foi sendo construído durante a trilogia toda de uma forma muito bem pensada e com uma sutileza incrível. Quando será que o ser humano vai entender que há coisas que ele não pode controlar? Conforme os flashbacks trazem novas informações e o nosso entendimento das coisas aumenta, nós vamos percebendo que há uma mensagem maior por trás de tudo, e é isso que dá suporte e sentido para toda a loucura que a gente lê. 
Fica difícil explicar isso para quem não leu, mas vamos lá. Vamos pensar em Thomas como se fosse duas pessoas diferentes. Temos um Thomas com plena consciência de seus atos e com uma ideologia inabalável antes de ir para a clareira e um Thomas que não se lembra de praticamente nada e passa por várias situações difíceis na clareira. Só essa situação deixa bastante espaço para a gente pensar em algumas coisas: Toda pessoa que comete um crime hediondo de acordo com as leis da sociedade, mas que veementemente acreditava que aquilo era o certo por n motivos é necessariamente um monstro? Se aquela pessoa passasse pelo que ela mesmo cometeu ela mudaria de ideia? Uma pessoa pode se arrepender de seus atos e mudar sua conduta ou não? Acredite ou não, mas esses livros levantam essas questões, pelo menos para quem leu atentamente.



Título Original: The Death Cure
Autor: James Dashner
Número de páginas: 364
Editora: Vergara&Riba






Quanto ao último livro, não entendi porque não foi muito bem aceito. Todas as resenhas que eu li reclamaram que nós não recebemos todas as respostas, mas isso foi uma das coisas que mais me agradaram no livro. O autor não deixou o final em aberto, mas preferiu omitir algumas coisas. Pessoalmente eu gostei mais assim. Logo nas últimas páginas o autor faz uma revelação que nos deixa em choque e nos faz repensar a trilogia e chegar nas conclusões que eu cheguei. Adorei que ele resolveu deixar isso para o final.
Enfim, pra resumir um pouco a trilogia é um combo de ação + suspense + enredo e personagens bem desenvolvidos +reflexões interessantes + reviravoltas
A trilogia tem mais dois livros extras. Um é o “Maze Runner – Arquivos” que é um livrinho com algumas coisas a mais, mas nada muito importante.




Título Original: The Maze Runner Files
Autor: James Dashner
Número de páginas: 72
Editora: Vergara&Riba





O outro é “Maze Runner – Ordem de Extermínio” que vai se passar treze anos antes dos acontecimentos com Thomas e vai contar melhor como o mundo chegou no estado em que está.



Título Original: The Kill Order
Autor: James Dashner
Número de páginas: 380
Editora: Vergara&Riba





Quanto ao primeiro filme eu achei uma adaptação super bem feita e que é tão louca e emocionante quanto o livro. Eu aprovei todas as modificações que foram feitas e estou super ansioso para o próximo filme que sai dia 18 de setembro.

Postar um comentário